Hobbylink -página inicialConheça os livros de Hobbylink

Já é cliente? Entre aqui!

Consulte o calendário Cadastre seu evento!
Aeromodelismo Automodelismo Nautimodelismo Cadastre sua pista ou clube!
Comprar, vender ou trocar Envie seu Classificado

Loja > Plantas de Hobbylink

Planta StarLite Park Flyer

R$ 47,00

 

• O frete é calculado ao fazer o pedido.
• Livros e plantas já têm frete incluído no preço.
• Para combustível, consulte e confirme o frete antes de fazer o pagamento.

Parcelamento nos cartões, sem juros:
Em até 3X para compras acima de
R$ 400,00;
Em até 6X para compras acima de
R$ 600,00.

VISAMaster Card

ELODiners

PLANTA PARA CONSTRUÇÃO

Planta StarLite Park Flyer

Código: PLN STARLITE102

PLANTA PARA CONSTRUÇÃO - Em 2 folhas impressas em escala 100% (não é necessário ampliar ou reduzir)

StarLite Park Flyer

Asa: Alta
Envergadura: 91,44cm
Comprimento: 64,40cm
Área da asa: 1392,63cm2
Peso aprox.: 113,40g
Carga alar: 0,0814g/cm2
Projeto: T.Herr
Motorização sugerida: Elétrico 280 Brushed
Canais de RC: 3

Escala da planta: 100%
Nº de folhas: 2

 

PLANTA

Um avião perfeito para o aeromodelismo elétrico e para quem adora construir!

Tom Herr (*)

Um furacão judiava a costa leste dos EUA com ventos de mais de 130km/h quando terminei de construir o primeiro protótipo do Starlite. É claro, nem aviões em escala cheia se atreviam a sair do chão e tive de esperar dias e dias para estrear este modelo projetado para voar com brisa leve em pequenas áreas, como pátios de estacionamento, campos de futebol, praças ou parques sem colocar em risco pessoas e coisas no entorno.

"Absorto pelo voo gostoso e respondendo a perguntas dos curiosos que começavam a chegar para o trabalho nem percebi o tempo passar."

Com cara de treinador convencional, o Starlite usa três canais de rádio (motor, leme e profundor) e sua construção requer materiais e técnicas tradicionais. O segredo está na cuidadosa seleção das madeiras e na combinação eficiente de motor, hélice e dispositivos de radiocontrole (RC). O protótipo usa um receptor Sky Hooks & Riging RX72-HYB, do tamanho de um selo postal, com apenas quatro gramas e dotado de controle de velocidade e função BEC (de Battery Eliminator Circuit – usa o mesmo pack de baterias para o motor e para o sistema de RC). Os microsservos Hitec HS-50 Feather foram escolhidos por serem pequenos, leves e de grande precisão. O motor é um WES-Technik 5-2.4 1A com caixa de redução de 8,3/1 girando uma hélice 9 X 5 de fibra de carbono. Você pode, entretanto, escolher outras combinações dentre a grande variedade de equipamentos existentes no mercado. (O modelo do editor de Hobbylink, Álvaro Caropreso, foi equipado com um flight pack GWS. Veja o quadro.)

Finalmente o furacão se acalmou. Como eu não tinha um recarregador próprio para baterias de níquel-cádmio (NiCd), decidi fazer os primeiros voos com um pack de três células de lítio de 3V (9V no total) e 750mAh, tipo CR2, não recarregáveis. O estacionamento da minha empresa em Titusville, na Flórida, estava deserto naquela manhã quando avancei o stick do acelerador e o Starlite decolou pela primeira vez. Subindo rapidamente, logo ele estava acima das luminárias dos postes e da folhagem das palmeiras, espantando meu temor inicial de que poderia não ter potência para voar com firmeza. Uma sutil trimagem nos comandos bastou para manter o avião em voo nivelado com pouco menos de meia potência do motor. Passei a desenhar trajetórias em 8 em uma área de 45 metros de largura por 120 metros de comprimento. Os controles reagiam bem.

Álvaro Caropreso e o Starlite

A revolução dos pequenos

Park flyers, backyard flyers, slow flyers são algumas das expressões que designam essa categoria de aeromodelos que, se não é nova, está em franca expansão. A tendência de popularização de aviões leves e capazes de voar em espaços reduzidos decorre da crescente dificuldade de se achar grandes áreas livres e seguras para o assentamento de pistas convencionais nas proximidades dos centros urbanos. Decorre também do desenvolvimento acelerado da microeletrônica e vem ganhando força nos últimos anos com a recessão nas principais economias de mercado. Isto porque a categoria é uma alternativa de custo relativamente baixo para atrair novatos para o hobby e ajudá-los a permanecer em prática com poucos gastos, sem muita parafernália de campo e sem depender de automóvel para ir e vir do sítio de voo. Porém, o voo delicioso dos park flyers também está contaminando cada vez mais os pilotos experientes!

Embora existam há muito tempo pequenos e interessantes aviões projetados para motores a explosão ou a gás comprimido (CO2), os park flyers que fazem mais sucesso atualmente usam motores elétricos: Não têm sujeira de combustível, não têm carburador para se regular, não morrem em voo, dificilmente se quebram e podem migrar de um modelo para outro com facilidade. Um recarregador rápido de baterias é o que basta para "encher o tanque" entre um voo e outro. O custo do sistema de radiocontrole não difere daquele necessário para qualquer treinador clássico com motor a pistão. Apesar de os microsservos serem mais caros do que os servos comuns, eles têm vida útil mais longa, pois, assim como os próprios aviões, se submetem a esforços mais brandos.

E há modelos para todos os gostos, prontos, semiprontos e kits para montar. O grande barato, porém, é que os park flyers empurram o aeromodelista para o melhor lado do hobby: Aquele em que naturalmente se combinam a intuição e o raciocínio. (Álvaro Caropreso)

Absorto pelo voo gostoso e respondendo a perguntas dos curiosos que começavam a chegar para o trabalho nem percebi o tempo passar. Lá pelas tantas, olhei para o cronômetro e tomei um susto: o avião estava no ar há 20 minutos! Havia ainda carga suficiente para subidas com plena potência e voo nivelado com meio motor, de modo que decidi continuar para saber quanto tempo o avião se aguentaria voando. Só pensei em pousar quando o cronômetro apitou uma hora! O estacionamento agora estava cheio de carros e o Sol se desgarrara do horizonte. Soprava uma leve brisa do mar e, por isso, mantive o Starlite voando pouco acima da altura dos telhados para evitar turbulências.

Decidi trazer o avião de volta quando a brisa apertou, apesar de ainda ter carga para plena potência e os controles continuarem respondendo com precisão. Coloquei o avião em uma rampa de pouso no meio das fileiras de automóveis e, com pitadas de potência no motor, o Starlite tocou no chão exatamente onde eu queria e não correu mais do que um metro. Olhei para o cronômetro: Uma hora e 25 minutos de voo! Foi o mais longo voo inaugural de toda minha vida e o modelo se comportou melhor do que o previsto!

Havia carga para segurar o motor em máxima rotação, mas o bom senso mandava reprimir a tentação de decolar de novo, pois o pack do transmissor poderia estar no limite. Fiz outro teste no dia seguinte, desta vez decolando mais cedo para evitar a brisa forte no final do voo. O Starlite ficou no ar uma hora e 47 minutos! Um pack de baterias de lítio de alta capacidade no transmissor provavelmente permitiria voar três horas ou mais sem parar. Nos dias seguintes testei o avião com packs comuns de níquel-cádmio a bordo.

Construção – O mais importante é a seleção de madeiras leves da melhor qualidade para assegurar o peso entre 100 e 113 gramas. A cola mais adequada é a do tipo cement (a tradicional "cola-tudo"). As colas de cianoacrilato (CA) não devem ser usadas de modo generalizado, pois adicionam muito peso e deixam as peças pequenas difíceis de serem lixadas. Esse tipo de cola pode ser usado para fixar o trem de pouso, as dobradiças do profundor e do leme e suas alavancas de comando.

Considere que este é um avião leve. Sua natureza não impõe grandes esforços estruturais e aerodinâmicos. O leme e o profundor, por exemplo, trabalham com a suavidade de uma borboleta! Portanto, como regra geral, primeiro pense em economizar peso; depois, tome a melhor decisão do ponto de vista estrutural e não abuse da cola.

As superfícies da cauda são feitas de varetas de balsa leve de 3/32''. Se você reparar nas fotos verá que a cauda do protótipo foi construída de modo um pouco diferente da planta. Siga a planta! Somente depois de entelar o avião cole as alavancas de comando feitas de compensado nas ranhuras do leme e do profundor, assim como as fitas que servirão como dobradiças. Estas podem ser de tecido de náilon ou do tipo autoadesivo que se encontra nas lojas de modelismo. Escolha o tipo mais leve.

Construção simples: 1 - as laterais e as cavernas da fuselagem; 2 - O painel esquerdo da asa pronto à espera do painel direito (na frente), com a construção apenas começada; 3 - As peças do grupo de cauda prontas para receber a entelagem

A asa é construída em dois painéis conforme o esquema tradicional: Coloque a planta sobre uma tábua ou mesa de madeira bem plana, proteja-a com papel impermeável e comece fixando com alfinetes a longarina principal inferior e o bordo de fuga inferior. Depois, fixe a nervura da ponta da asa, a segunda nervura e a chapa A6 que serve de gabarito para o diedro. Posicione a primeira nervura encostada em A6 e cole. Vá em frente colando as demais nervuras e longarinas. Depois de prontos, junte e cole os dois painéis, conferindo o diedro indicado na planta. Em seguida, faça as ranhuras nas nervuras centrais onde serão colados os dois reforços do diedro (A7).

A fuselagem é do tipo "caixa", com laterais semelhantes (F1), porém uma para o lado direito, outra para o lado esquerdo. Assim, preste atenção na hora de colar os reforços F2, F3 e F10, bem como as peças de apoio para o montante do motor (F4 e os triângulos de reforço).

Monte as quatro cavernas (F6, F7, F8 e F9). Cole em uma das laterais a caverna F6 e a peça F5. Assegure o ângulo de 90 graus entre estas peças e a lateral. Depois, cole a outra lateral, junte as duas extremidades da cauda e complete colando as demais cavernas. Finalmente, feche a cobertura e o fundo com chapas de balsa de 1/32" com os veios na perpendicular da fuselagem.

O Starlite pode usar inúmeras combinações de motor e hélice. Por isso, o projeto propõe um montante removível para facilitar as trocas de motor. Estude bem esse detalhe na planta. Note que o motor é fixado em uma chapa de compensado de 1/32" e esta, por sua vez, se encaixa sob pressão na ranhuras das peças de reforço F4. Não é preciso usar cola entre a base do motor e as peças F4 se o encaixe ficar firme. Porém, na dúvida, basta um pingo de cada lado (lembre-se do peso!).

Acabamento – Todo o avião pode ser revestido com papel japonês e duas demãos de dope diluído em thinner, como nos velhos bons tempos do aeromodelismo. Nada contra se você conhecer e souber aplicar outro tipo de revestimento, desde que seja tão ou mais leve do que o papel japonês com dope. As superfícies da cauda devem ser enteladas separadamente antes de serem coladas no avião.

As rodas são laminadas com chapas de balsa de 1/16" (T1 e T2) e compensado leve (T3) de 1/32". Preste atenção nos veios da madeira ao recortar e colar estas peças. Não é necessário aplicar nenhum tipo de reforço nas rodas, pois o peso de cada uma delas não pode passar de 1 grama (é isso mesmo!).

1 - A bateria de NiCd que vem com o flight pack GWS permite que o motor gire até parar durante cerca de 30 minutos; o modelo chegou a ficar 17 minutos em voo com essa mesma bateria; 2 - O arranjo para enrolar a antena em um cartão evita que o fio se arraste na cauda do modelo, o que pode atrapalhar o voo; note que no enrolamento as passadas do fio não se sobrepõem; isso é muito importante para não tirar a eficiência da antena. Esse problema não existe para receptores de sistemas FHSS em 2.4GHz, cujas antenas são bem curtas.

Sistema de RC – Não são necessários parafusos para fixar os servos em nenhuma bandeja especial. Eles são encaixados sob leve pressão nas cavidades de um bloco de espuma de Isopor® colado no fundo da fuselagem. Aproveite a embalagem do rádio para recortar esse bloco. Posicione os servos e o pack de baterias de maneira que o centro de gravidade (CG) fique no lugar indicado na planta.

As hastes de comando devem ser, de preferência, de tubos de fibra de carbono de 0,05" de diâmetro (+/- 1 mm) em cujas extremidades são conectados os arames de 1/32" que se ligam nos braços dos servos e nas alavancas de controle das superfícies da cauda. Nada impede que você use varetas de balsa dura para fazer as hastes. Veja na planta um esquema de segurança para evitar que os arames se soltem dos controles.

Uma grande vantagem do motor elétrico é a quase total ausência de vibração. Assim, o receptor não exige a proteção de espuma de borracha normalmente usada em modelos com motor a explosão. A própria fiação de bordo é suficiente para manter o receptor no lugar. O pack de baterias pode ser embrulhado em um pedaço de papel-toalha para se apoiar nas laterais da fuselagem. Os tubos de suporte dos elásticos de fixação da asa podem ser de alumínio ou de fibra de carbono, iguais aos das hastes de comando.

Antes de fazer o primeiro voo, confira o CG e regule a deflexão do leme em cerca de 1,5 cm para cada lado e a do profundor em cerca de 1 cm para cima e para baixo. Mesmo sem comando de direção na bequilha traseira (apenas um arame fino faz esse papel) o Starlite se mantém firme na corrida para a decolagem, o que não passa dos 3 metros.

O Starlite é muito estável e logo você vai sentir-se confortável para manobrar em um espaço aéreo bem pequeno.

(*) Tom Herr é projetista da Herr Engineering, EUA.

 

Você pode construir o StarLite a partir da planta de Hobbylink

O MODELO
Classe: Park Flyer
Configuração: Asa alta
Trem de pouso: Convencional
Envergadura: 91,4 cm
Comprimento: 64,4 cm
Área alar: 1392,6 cm2
Peso aprox. em ordem de voo: 114 g
Carga alar: 0,0814 g/cm2
Motorização: elétrica brushed, com redução de 1/8
Hélice: 9 X 5 ou 9 X 7

O Starlite do editor de Hobbylink, Álvaro Caropreso, usa um motor GWS IPS 280, com hélice GWS 9 X 7. O sistema de RC é um flight pack GWS que vem com microrreceptor, dois microsservos, controlador de velocidade e uma bateria de NiCd de seis células de 350 mAh. O avião foi construído a partir da planta de Hobbylink.

A PLANTA
Escala 1 X 1
Em 2 folhas de 81 X 51,5 cm
Com soluções de construção
Para comprar a planta, clique aqui. A planta será enviada pelos Correios. Siga as instruções no formulário de pedido.


|   Hobbylink   |   Quem somos   |   Loja   |   Empresas   |   Eventos   |   Onde praticar   |   Classimodel   |   Fale conosco   |   Início da página   |

© 1993-2017 Hobbylink - Vento Solar Editora Ltda.
Escritório: R. Francisco Cruz, 67 - Vila Mariana - São Paulo - SP - 04117-090
ATENDIMENTO DO PÚBLICO SOMENTE POR FONE OU E-MAIL
Fones 11-999072694 (Vivo) •
11-945286357 (Claro e WhatsApp) • 11-959798419 (TIM) - ventosol@hobbylink.com.br
Direção: Álvaro A. Caropreso e Sônia M. M. Ferreira Administração: Mari Maria Pereira Controller: Orion Acessoria Contábil
Nenhuma parte pode ser reproduzida ou arquivada em qualquer sistema de exposição ou consulta, seja para uso público ou privado, sem autorização por escrito.